FIM DE MP DEVE ELEVAR A PROCURA POR BENEFÍCIOS DO INSS A PARTIR DE HOJE

Trabalhadores que estavam desempregados, entre outros casos que levaram o segurado de deixar de contribuir com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já podem, a partir desta segunda, 7, voltar a solicitar benefícios, como auxílio-doença e aposentadoria, com apenas quatro meses de novas contribuições ou três, no caso da licença-maternidade. A ideia é aproveitar a volta da antiga regra prevista pela Lei 8.231/91, já que a Medida Provisória 739, que estendia o prazo para 12 meses, acabou ficando sem efeito na última sexta-feira
O agendamento do serviço no INSS deve ser feito, a princípio, por telefone: 135. Na Bahia, a superintendência regional do órgão ainda não havia recebido, até a última sexta-feira, orientações específicas de "como vai ser a reorganização da Casa com o fim da MP". Nacionalmente, o INSS divulgou que pretende remarcar as perícias de hoje a 25.
A MP 739, que exigia dos trabalhadores que haviam perdido a condição de segurado o número integral de novas contribuições a título de carência, não pode mais ser reeditada. "Mas, na prática, nada impede que o governo, por exemplo, publique uma nova MP, contendo outras alterações e incluindo os dispositivos que dificultem a concessão dos benefícios novamente", alerta a advogada previdenciária Anna Carla Fracalossi, professora da Faculdade Baiana de Direito. O governo admite que o fará em caráter urgentíssimo, daí a pressa dos interessados.
Para Anna Carla Fracalossi, a insegurança jurídica que tomou conta das normas da previdência social no país vêm gerando pânico social. "Temos um déficit muito grande de legitimidade, com envio ao Congresso de MPs que trancam a pauta e acabam não tendo um caráter definitivo, justamente porque as propostas poderiam ser melhor discutidas, inclusive quanto ao cronograma de implementação", frisa a especialista.
Resultado: tanto o fim agora da MP 739 quanto todas as especulações em torno da Reforma da Previdência levaram uma corrida aos postos do INSS na Bahia. "Só há vaga de agendamento para aposentadoria para o final do ano que vem", conforme apurou o escritório da advogada.
Peritos
Com a não conversão da MP 739/2016 em lei, também deixa de valer o bônus no valor de R$ 60 por perícia, que havia sido instituído para médicos-peritos que trabalhassem na revisão de benefícios já concedidos. "Ou seja, quanto mais perícias revisionais fossem realizadas, mais o profissional ganhava, num verdadeiro mutirão de laudos questionáveis", explica Anna Carla Fracalossi.
Embora não houvesse uma orientação explícita na MP no sentido de que a perícia determinasse a cessação do benefício, o bônus era visto por familiares dos segurados como uma forma de prejudicá-los.
>> Eentenda o caso
O que previa a MP - Editada em julho deste ano, a MP 739 ampliava, entre outros dispositivos, de quatro para doze meses, o número de novas contribuições mensais (pagamentos) à Previdência para o trabalhador que tivesse deixado de contribuir temporariamente e voltasse a fazê-lo, visando obter auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. O mesmo para salário-maternidade, que era de três meses, antes.
Vigência - Uma medida provisória tem vigência de 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 60 dias. Ao final do prazo, ela precisa ser transformada em lei pelo Congresso para que seus dispositivos passem a valer em definitivo. No caso da MP 739, por falta de quórum, o projeto de lei não foi aprovado, em sessão no último dia 26 de outubro.
O que vale agora - Quem deixou de contribuir para o INSS e perdeu a chamada “qualidade de segurado” poderá receber o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez após pagar quatro novas contribuições. Para o salário-maternidade, a exigência é de três pagamentos. Em todos os casos, é preciso ter, no mínimo, 12 contribuições para ter direito ao auxílio.
Fonte: atarde
Share on Google Plus

About Ana Lúcia Leal da Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.