PALESTRA DE SERGIO MORO FOI MARCADA POR PROTESTOS QUE ATRASOU O EVENTO POR 12 MINUTOS, NA UNIVERSIDADE COLUMBIA, EM NOVA YORK

Manifestação contra Sérgio Moro em frente a Columbia University, em Nova York - Henrique Gomes Batista

NOVA YORK — A palestra do juiz Sérgio Moro foi marcada por protestos dentro da biblioteca da Columbia University, na manhã desta segunda-feira, em Nova York. Diversos participantes se levantaram, com cartazes e com gritos contra o juiz, acusando-o de ser parcial em suas decisões. Muitos gritavam que o impeachment de Dilma Rousseff foi um golpe no Brasil. Ao menos três manifestantes foram expulsos do recinto, atrasando o início da palestra de Moro por cerca de 10 minutos.

Um protesto no lado de fora da universidade também criticava o evento. Professores e estudantes afirmavam que o evento abordava apenas um lado da Lava-Jato e que a operação ajudou no impeachment.

— Estou muito chateada com tudo isso, este evento não tem um debate universitário, representa apenas um lado — afirma Nancy Fraser, professora de Filosofia da New School University, que realiza o evento em conjunto com outras entidades, como a Fundação Lemann, de Jorge Paulo Lemann.
Sérgio Moro em palestra na Columbia University - Henrique Gomes Batista

Muitos brasileiros levantam placas dizendo que Moro é parcial e que o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi um golpe. Duas cartas abertas, uma de alunos e professores, e outra do movimento "Defend Democracy in Brazil", estão sendo distribuídas.

— A New School sempre foi uma escola de esquerda e não entendo porque está organizando um evento tão parcial. Tentamos colocar ao menos um nome para o debate, mas não permitiram. Porém, já conseguimos verba com professores e agora vamos fazer um evento plural — disse Luiza Nassif Pires, que faz PhD em economia na New School.

O responsável pala Lava-Jato, afirmou que ainda não havia recebido a notícia da nomeação de Alexandre de Moraes para o Supremo, assim, não poderia dar opiniões sobre seu nome.

— Boa sorte para ele, mas não tenho opinião para dar — disse, arracando risos da plateia da Columbia University.

Questionado sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de deixar com o ministro Edson Fachin os processos da Lava-Jato que estavam com Teori Zavaski, morto em acidente aéreo mês passado, ele afirmou que não tem condições de avaliar um ministro do Supremo, mas indicou, indiretamente, que ficou feliz com a escolha:

— Fachin é um grande jurista, está no Supremo desde 2015, e ele tomou importantes decisões. É um julgador independente, mas eu não tenho autoridade para avaliar um ministro do Supremo — disse.
Share on Google Plus

About Marcinho do Saiunoblog

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.